sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Vida = Caixinha de Surpresas!



Em algumas dos meus últimos registros aqui, observei que o intervalo de uma postagem para outra foi grande. Sim, o tempo está curto e não nego a falta de inspiração e disposição para atualizar “Sinais de Mim”. Concordo também que é uma tremenda falta de respeito e consideração com quem passa por aqui para apreciar minhas postagens e também com quem vem conhecer o espaço e pensa estar abandonado. Existem também os que ‘pescoçam’... Peço desculpas aos seguidores e visitantes e friso: o blog não está abandonado!

Observei também, que em meus últimos posts e em fatos vivenciados, tenho sido muito positiva. Só que uma coisa inusitada aconteceu.

Bem... Nos últimos trinta e poucos dias, muitas coisas bacanas aconteceram. Fui convidada a lecionar em uma faculdade, permaneço em uma assessoria parlamentar, reativei meu jornal que estava parado por conta do período eleitoral, viajei bastante, conheci gente bacana, me diverti em ambientes diversificados, disponibilizei mais tempo para minha família, recebi visita de uma grande amiga de infância, comemorei o aniversário do Gui (meu esposo) dia 26 de novembro e celebrei a minha chegada à terceira década da minha vida, dia 03 de dezembro, entre outras situações.

O fato inusitado é o seguinte: resolvi passar por uma consulta médica para saber como está o funcionamento do meu corpo. O médico solicitou alguns exames e fiz. Dias depois, voltei para a revisão e fui surpreendida: tive um exame com resultado não esperado, já o repeti e estou passando por mais alguns, já que a possibilidade de existir uma ‘disfunção’ em mim é grande. 

Chorei muito no dia que soube e nos dias seguintes, e me emociono ao falar sobre o assunto, portanto, não entrarei em detalhes. Não me sinto confortável para, no momento, me expor em rede mundial. O engraçado é que neste mesmo dia, pela manhã, uma senhora que eu nunca vi antes, entrou em uma loja de cosméticos que eu estava escolhendo um presente. Percebi que aquela mulher tinha apenas um seio e em sua cabeça havia novos fios de cabelos. Eu conversei com ela, dei força, fiz de tudo para levantar sua autoestima. E consegui! Quando foi a tarde, soube que existe a possibilidade de eu ter que conviver com algo que com certeza é bem mais fácil do que ter que conviver com um câncer, e ainda tenho dúvidas se será fácil conformar. Sim, enfrentar situações de tudo o que está relacionado à saúde nunca foi fácil. 

Fico aqui pensando: é tão mais fácil quando o problema é com o outro...  E com esta situação que estou passando, percebi que sou discreta, reafirmei que posso ter o apoio da minha família e estou contando com quem eu menos esperava...

Tenho certeza que em algum dia (espero que em um futuro muito próximo), eu fale aqui sobre esta situação hoje que tanto me incomoda. Venci um estágio depressivo e desde então, dou força para pessoas que passam pela mesma situação, mostro para elas que, como eu, também podem vencer. Quem sabe eu também fale com propriedade sobre vencer mais uma dificuldade?

Peço desculpas aos meus poucos e bons amigos que irão ler esta postagem por eu estar calada, mais é que percebi também que tenho dificuldades para falar dos meus problemas. O que me conforta nesta situação toda, é saber que por causa deste problema, eu nasci para amar pessoas que, talvez, viveriam sem saber o que é o amor.


E já que entrei na terceira década... O jeito é assumir!
   Que
esta nova idade me surpreenda com muita positividade!!! \o/





12 comentários:

  1. Anônimo10:45

    Eu já estava com saudades. A vida é realmente uma caixinha de surpresas, Thaís. Li um livro entitulado "Todo Dia é um Dia Especial" e concluí que nem sempre conseguimos perceber o que há de positivo nos momentos negativos. Muitas vezes as experiências tristes nos tornam mais fortes, e quando a tempestade passa temos condições de ajudar quem está enfrentando uma situação igual ou pior. Isso não quer dizer que fomos cobaias nas mãos de Deus e sim expressão do seu amor. Não conheço vc direito, Thaís. Vc é sim, expressão do amor. Continue assim, distribuindo o AMOR! Bjs no coração. oro por vc. Márcia da Cruz Souza

    ResponderExcluir
  2. Ei Thais, nada que Deus não resolva.. Imagino o quanto deve estar sendo dificil, mas Deus é lindo e faz coisas milagrosas em nossa vida. Nunca perca a sua fé!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Força minha linda!Tú já provou que és uma guerreira!!!

    Deus a abençõe muitooooo
    Bjus.

    ResponderExcluir
  4. Saudações Thais! É normal mesmo ficar assim. Quando superei meu medo do nódulo na mama eu prefiri sair falando aos quatro cantos para que as mulheres ficassem cada vez mais informadas a respeito do que eu tenho E de que elas podem ter. Sempre falo que um nódulo é uma bomba relógio que pode explodir a qualquer momento, mas eu prefiro acompanha-la para na hora certa, se precisar, cortar o fio certo! Não sei se é esse o teu problema, mas estou falando apenas o que acontece comigo! Força! Beijos e abraços!

    ResponderExcluir
  5. Deus é contigo.

    To seguindo seu blog

    bjokas com carinho =)

    http://meusegredosbell.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Thais,você viveu esse ano várias experiências muitos boas, que acredito tenham acrescido em muito na sua vida profissional e pessoal. Foi fazer uns exames de rotina e está lidando com algo que é novo para você..normal, acho certo querer se preservar, até porque tudo é muito recente e acredito que tenha pessoas queridas do seu lado. Saiba que estamos torcendo por você e com certeza estará bem para enfrentar esse problema. Conta comigo para o quer precisar. Já estou te seguindo. Se cuida. Abraços. Sandra

    ResponderExcluir
  7. Olá.
    Gostei muito do que vi por aqui.
    Gostaria de divulgar sua postagem no meu Portal, é o Portal de Blogs Teia ,um portal só para blogs de qualidade, assim como o seu.
    Se quiser ter seu blog divulgado gratuitamente é só fazer uma visitinha.
    Espero que aceite meu convite.
    Até mais

    ResponderExcluir
  8. Oi flor,

    Como vai?
    Amei o seu blog.
    Parabéns!
    Ansiosa para as próximas postagens.
    Já estou lhe seguindo.
    Faça uma visita ao meu e se gostar será um imenso prazer em te-lá em meu cantinho.

    http://melbernardo.blogspot.com

    Bjok@s e sucessos

    ResponderExcluir
  9. Thais boa noite flor!! Passando para conhecer seu cantinho
    já estou seguindo,qdo der me faça uma visita e tbm me siga.
    Tenha fé em Deus,vai dar tudo certo.
    Fica com Deus,bjks

    ResponderExcluir
  10. Thais, passando para saber como está e te desejar uma ótima quinta!! Qualquer coisa, estou por aqui. Abraços. Sandra

    ResponderExcluir
  11. Anônimo21:28

    Quando paramos para refletir sobre o que é a vida percebemos o quão frágil ela é. Tão terna quanto uma flor. Nada é eterno se não o fruto do que semeamos dentro de nós. Isso é frustrante? Talvez. Tudo depende de pontos de vista.
    Há pessoas que vivem décadas e, no entanto, partem como se nunca tivessem existido. Para mim, isso é frustrante.
    Por outro lado existem aquelas que apesar de partirem tão cedo alteram o curso da vida da gente até com um simples sorriso. :)
    Estou dizendo tudo isso, porque a minha vida toda eu tentei seguir aquela filosofia de “viver e amar como se fosse o último dia”. Mas, então, comecei achar tudo isso muito fúnebre e sem sentido.
    Se pararmos pra pensar nos últimos dias de alguém quase sempre as lembranças serão de coisas ruins, como dor, saudade, tristeza, doença e finalmente a morte. E se, realmente, há aquele que consegue viver intensamente seu último dia, meus sinceros votos. Este, entretanto, nunca poderá visualizar sua vida no dia seguinte.
    Então me veio uma nova ideologia: “viver esta vida terrena, como se cada dia fosse o nosso primeiro”. Nos primeiros dias celebramos, brindamos, sorrimos, choramos e desejamos um futuro feliz, traçamos planos e acreditamos em dias melhores. Jamais nos esquecemos dos primeiros... O primeiro beijo, a primeira paixão, o primeiro emprego, a primeira professora de publicidade & propaganda!... O fato é que nada é tão marcante quanto da primeira vez.
    Portanto, se vivêssemos nossa vida como se ela tivesse acabado de começar, nosso emprego como se fosse o primeiro, nossos amigos como se fosse a primeira vez que os víssemos, certamente, seríamos mais humildes, mais dedicados, mais atenciosos, seríamos prudentes como no início, escutaríamos como no início.
    As lutas que enfrentamos aqui são leves e momentâneas diante das infinitas misericórdias de Deus.
    Às vezes nós não temos que entender os "porquês" das coisas, mas os "para quês". Isso pode alterar todo o curso dos nossos sofrimentos.


    Com muito carinho, e toda minha admiração...
    Renata

    ResponderExcluir
  12. Minha querida.
    O blog é um detalhe.
    Todos parecem ocupados demais nessa época... as coisas ficam um tanto de lado mesmo.
    Mas o importante de verdade é sua saúde!
    Mando daqui minhas melhores vibrações pra vc.
    Quando quiser conversar, sabe o caminho.
    Beijão!!!

    ResponderExcluir