terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Tente Outra Vez

            
           Diferente do filme “Ligação Perdida”, gênero terror, que conta a história de uma adolescente que ao atender o celular ouve um grito aterrorizante, farei uma sinopse de um casal que por uma ligação de fibras ópticas iniciaram uma ligação afetiva.
            A moça estava sozinha em casa, quando resolveu ligar para a casa de dona Vitória para ajustarem detalhes profissionais. Sabe como é este lance de ter que aumentar a renda com trabalhos informais no Brasil, né?
            “- Mãe, quem é a moça com voz encantadora?” – disse Ourives.
            E a partir deste dia, Ourives e a moça da voz encantadora não pararam mais de manter contato. Seja por telefone, via internet ou encontros casuais marcados.
            Em um dos primeiros encontros marcados, Ourives, o moço fabricante de metais que é uma pessoa de temperamento forte e inspira nas pessoas sentimentos radicais, vacilou. Deixou de ouvir a voz que de início tomou-lhe a mente em pensamentos e imaginações e partiu para o terror. Semelhante ao do filme já citado. Cada gole o desamparava e o fazia entregar-se ao próximo, pois, sabia que naquele momento o álcool faria com que ele caísse no mundo do esquecimento... Esquecimento este que o levou a outro problema: como encarar a realidade? Dores de cabeça da ressaca da noite anterior pareciam-lhe cócegas e soavam-lhe como uma canção de ninar diante do tão temido bolo recheado de impurezas e imperfeições para o início de um suposto relacionamento.
            Um email poderia ser um refúgio para que tal situação pudesse ser explicada? Para uns não, mas aos adeptos à evolução tecnológica, é válido. Para a moça de voz encantadora fez valer, pois ela acompanha as tendências evolutivas, tem bom coração e sabe compreender. “Quem nunca errou que atire a primeira pedra!” Com pouca mudança, esta frase foi dita por Aquele que, desde os primórdios dos tempos, é O Grande Conselheiro e Mestre da humanidade, embora não fosse compreendido por muitos durante os trinta e três anos que, aqui, viveu como hoje, ainda não O é.
Para quem não é visto como o Grande Arquiteto do Universo, e despido de discípulos e não tem história em que fariseus são incluídos, perdoar é um ato admirável. Assim penso.
            Momentos são feitos de felicidade, bem como futuros dependem de comportamentos situacionais. É bem contraditório e ousado da minha parte, após uma citação contida nas escrituras sagradas em João 8: 01-11, em seguida falar de um ídolo meu. Primeiro Jesus, depois Raul Seixas. Raul era (ou é porque para mim ele vive) um cara que conseguiu fazer história em cada pulsar do seu sangue, cada respirar e batimento cardíaco. Era cheio de problemas tóxicos. Mas viveu intensamente e registrou em uma das suas artes que “Nunca é tarde pra começar tudo de novo...”. Ele começou, re-começou, fez, re-fez, fez outra vez. O que se sabe é que ele trocou o verbo ‘tentar’ pelo ‘experimentar’. Experimentou tanto, que, em seus experimentos, conseguiu encontrar a fórmula da felicidade e por isso clamou diante de um público que vivia o período da Ditadura Militar: “Não diga que a vitória está perdida, tenha fé em Deus, tenha fé na vida, tente outra vez!”
Mas... E a moça de voz encantadora e o Ourives, que de coitado nada tem? Onde podem ser enquadrados nesta história? Prefiro explicar com “Coisas do Coração”. Raul é para mim um ídolo. A moça de Voz encantadora, uma amiga. E o Ourives, para a moça de voz encantadora representa algo afetivo. Espero que um dia Ourives possa pegar na mão da moça de voz encantadora e falar de coisas que não disse ainda não... Coisas do Coração!

Thaís Livramento

2 comentários:

  1. Menina, eu gosto do teu jeito de escrever pq vc tb mistura vários assuntos e faz tudo ter sentido assim juntinho. Muito bom!
    bjoca

    ResponderExcluir