domingo, 11 de dezembro de 2011

Mudanças

A sociedade tem o péssimo hábito de sentar no rabo e perder tempo falando sobre os problemas, questões e situações alheias. É muito triste sentar em uma mesa de restaurante e alguém logo começar perguntar quem terminou relacionamento com quem, quem ta grávida de quem, quem traiu quem. Dos meus amigos de infância, conservei poucos e bons. Estes, por mais que eu não tenho contato de longos momentos de lazer e prazer, faço questão de compartilhar um email, enviar um sms, dar uma mexidinha nas redes sociais, parar na rua para perguntar como estão, fazer uma ligação, encontrar num determinado lugar, dar um abraço, um sorriso de satisfação por ver alguém que tem presença em capítulos do livro da minha vida.

Muitas vezes tive vontade de fazer um tantão de coisas. Não fiz. Moro em uma cidade pequena, onde o hobby preferido da galera, é falar da vida alheia. Admiro as pessoas que ligam o botãozinho ‘foda-se’ e abrem mais uma porta da felicidade. Mas não, eu não sou assim. Ou não era. Sei que tenho um nome a zelar, postura e conduta profissional que merece total respeito, bem como uma família meio que tradicional na cidade que nasci, cresci, fiquei um tempo fora e retornei.

Meus últimos 15 dias foram um tanto quanto embaraçosos. Talvez, meu último aniversário tenha sido um dos que mais amadureci em função dos últimos acontecimentos. Não vou me prejudicar, nem decepcionar ninguém que esteja ao meu redor, mas percebi que é hora de mudar, que os anos passam muito rápido e que a minha vida diminui a cada dia que passa. 

Pensar antes de agir é prova de amadurecimento. Bem como descrição. E eu aprendi a ser discreta. Com discrição e cautela, tenho certeza de duas coisas: de que vontade é uma coisa que dá e fica, portanto, é melhor agir porque a vida passa rápido demais, e de que independente das coisas que acontecem, tudo serve de aprendizado para viver um presente que possa ter o passado como exemplo, e um futuro planejado (mesmo que as coisas não fluam como planejado). Erros e acertos fazem parte de uma história de tentativas. No mais, é bola pra frente, que atrás tem uma multidão!

12 comentários:

  1. O que quer que tenha acontecido por aí, pelo menos te deixou uma lição boa. Nada como se importar com as coisas que realmente valem a pena... ;)
    bjo

    ResponderExcluir
  2. Anônimo13:57

    Tudo que acontece na vida da gente tem um propósito e nosso caminho está traçado..nada acontece senão para nos fazer crescer e amadurecer..e algumas coisas não considero como erros, mas sim como momentos que eram certos mas acabaram...
    bjo

    ResponderExcluir
  3. Anônimo16:41

    Deus estará sempre contigo e seus verdadeiros amigos também. Tenha força!

    ResponderExcluir
  4. Continua a ser assim.
    Ser diferente no bom sentido, dá-nos um prazer imenso.
    Muitos beijinhos.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom este seu texto, mas não se esqueça que tudo o que é vivido é por algum motivo e que o que tem de ser nosso será e o que não tiver deixa-se para lá- Gostei muito :)*

    ResponderExcluir
  6. Obrigada por sua visita, por suas palavras, é um prazer receber seus sinais...

    ResponderExcluir
  7. agradeço a visita,realmente tem pessoas que vivem só para viver a vida dos outros.

    ResponderExcluir
  8. Thaís, querida, adorei o blogue! De cara me deparo com um texto tão bem feitinho: coerente, imparcial, claro etc. Adorei!

    Abração,

    Rodrigo Davel

    ResponderExcluir
  9. Tentar.
    Errar.
    Tentar de novo.
    Errar de novo.
    Errar melhor.

    Assim vamos fazendo a estrada durante o caminhar. Um beijo.

    ResponderExcluir
  10. E que grande multidão, Thais! É isso! Bola p'ra frente que atrás vem muita, muita gente rsrsrsrs


    Abração, inté.Volto!

    ResponderExcluir
  11. Infelizmente é quase um costume brasileiro isso...

    Enfim,concordo plenamente com você...

    E sempre acreditar que o amanhã será melhor que hoje...

    ResponderExcluir