domingo, 27 de novembro de 2011

Não dá para expressar o amor que sinto por ele...

Quando nasci meu pai era um ser que às vezes aparecia para aplaudir meus últimos lucros. Quando me ia fazendo maior, era uma figura que me ensinava a diferença entre o mau e o bem. Durante minha adolescência era a autoridade que me punha limites a meus desejos. Agora que sou adulta, é o melhor conselheiro e amigo que tenho!


Hoje eu quero pagar uma dívida comigo. Sempre fiquei ‘encucada’ com esta situação, e não sei por qual motivo nunca quitei este débito.

Sempre que meus familiares (e alguns amigos) aniversariam, faço homenagens aqui no blog. E logo com o melhor homem do mundo, passou de liso. No aniversário do papi, eu estava meio impossibilitada de escrever, já que me recuperava de uma cirurgia. No dia dos pais, foi tão atormentado, que deixei passar e nada fiz, nem atrasado.

Mas hoje estou aqui para falar de um homem que foi bom filho, é o excelente marido, o profissional mais honesto (e de referência) que eu e mais um bocado de gente conhece e o melhor pai do mundo!

Mamãe conta uma história, que quando eu era neném, tive um probleminha, que papai apenas sentou na cadeira, abaixou a cabeça, chorou e exclamou: “Por que é com ela, tão pequenininha? Não podia ser comigo?” Sempre me lembro destas histórias que, volta e meia, eles contam.
 
Papai é um grande homem. Sempre tratou minha mãe como princesa. Mas também, pudera... Minha avó era uma rainha! E com os ensinamentos dela, papai construiu a dinastia dele. Anny, minha irmã que nasceu primeiro, tem muitas características dele. E André, o caçula, é a cópia fiel dele (até fisicamente!).  Eu? Ah, eu sou meio torta... Mas tenho o meio termo dele. Inclusive, na parte de ter bom coração. Como o papai, aprendi que é necessário tirar da minha boca, pra alimentar quem realmente precisa.

Recordo-me também de uma situação embaraçosa, de quando eu cursava Jornalismo em MG (2004), e papai sofreu um infarto. Meu Deus, como foi difícil! Eu, numa distancia de mais de 1.000 quilômetros, nada podia fazer pra estar perto, pois foi uma época também, que não tínhamos dinheiro nem para eu visitar minha cidade. Me apeguei com Deus, e de Arcos (cidade que eu morava), enviei TODAS as energias positivas para meu pai. Naquele dia, comecei a ter uma nova concepção de fé. Naquele dia, um monte de coisas que eu pensava que era de valor pra mim, nem foram lembradas. Naquele dia, eu percebi que é impossível medir o amor que eu sinto pelo meu pai. Graças a Deus, tudo foi resolvido. 

Eu olhava a dificuldade que algumas amigas de república tinham para ao menos se comunicar com o pai delas, e achava estranho. Cada vez mais, eu tinha a certeza de ser premiada com o melhor pai do mundo.
Formei-me, voltei para o ES, e perdi minha identidade. Na minha cidade natal, deixei de ser a Thaís, e tornei a “filha jornalista do Dico”. Ah, como ele respirava fundo quando ouvia alguém me identificar desta forma... E eu então? Nem tem como descrever!

O tempo passou, e a ‘jornalista filha do Dico’, tomou o espaço como a ‘Thaís Livramento’, reconhecida por muito esforço do trabalho que realiza no ES desde 2006. Papai (sempre junto com a mamãe) me acompanhou e me apoiou em todas as minhas ações e realizações pessoais e profissionais. Por mais que eu seja cabeça dura, faça tudo o contrário do que ele e mamãe me ensinaram, ele sempre está ali, disposto a me amparar. E como o colo dele é bom...

Mas voltando à minha identidade, outro dia estávamos conversando sobre isso, e eu brinquei sobre ser conhecida em alguns lugares como a filha de alguém, não pelo meu nome. E junto a um sorriso lindo e cheio de orgulho, ele retrucou: "Feliz sou eu, de chegar em alguns lugares e as pessoas me perguntarem se sou o pai da Thaís, a jornalista." Isso já tem algum tempo, mas não me esforço pra esquecer. Ele fica todo ‘fofo’ quando meu irmão chega de Vitória, minha irmã vem pra casa dele e de mamãe, e nos reunimos um dia inteiro. 

Papai e mamãe sempre fizeram de tudo para os filhos. Passaram dificuldades para estudar os três. Graças a Deus, meus irmãos e eu sempre soubemos dar valor. Somos uma família muito feliz e para muitos, referência. O motivo? Fomos educados com amor, nunca participamos de uma discussão dos nossos pais, crescemos vendo nossa mãe cuidando do nosso pai com muito amor, e percebemos que nosso pai soube reconhecer isto. Papai é um grande homem. O maior! É e sempre será o meu herói, a minha referência. Me sinto impotente de não conseguir retribuí-lo da forma que merece, mas arquiteto planos para isto, e coloco meus projetos em prática. O amor que sinto pelo senhor Antonio do Livramento não cabe em mim. Que Deus abençoe meu pai!

11 comentários:

  1. Um post lindíssimo de um amor que encanta!
    É esse sorriso que é a melhor prenda que ele pode ter, pois é contagiante.
    Parabéns por seres assim.

    ResponderExcluir
  2. Saudações Thais! Lindo... lindo... lindo... tudo que eu escrever, com o maior cuidado de tecer uma bela resposta ao posta, não será a altura! Beijos e abraços!

    ResponderExcluir
  3. Que linda essa tua homenagem ao teu Pai, adorei essas palavras em forma de meia história de vida!

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Gostei tanto deste seu cantinho, gosto da menira como escreve e este post está mesmo muito bom. Vou seguir e certamente irei passar por aqui muito mais vezes. Um beijo :)

    ResponderExcluir
  5. Linda homenagem...e obrigada por me visitar lá no "caixinha"..beijokas

    tenha um ótima semana...

    Nina♥

    ResponderExcluir
  6. Via te agradecer pela visita e já estou na área VIP te seguindo tb, gostei do que li aqui, simples e verdadeiro. Só quero te dizer duas coisas: dá um abraço no Dico por mim, e aquele bolo deve ter ficado bom demais. Bjo bjo.

    ResponderExcluir
  7. Pai... é difícil falar Thais, mas é ser herói, é ser presença, é ser sorriso, é ser amor, é ser brigão, é ser irmão, é ser amigo.... é ser tanta coisa que eu nem sei! Quem me viu chorar um dia desses? Um abraço e parabéns a toda a família! Felicidades.

    ResponderExcluir
  8. Pai é tudo de bom.... mesmo naqueles momentos de palesrta! kkkkkkkk ;)

    ResponderExcluir
  9. Júnior Eler18:32

    Uau! É tão bom ver suas gotas de amor esparramadas assim, nuas, sem filtro, Thais.
    E, só pra lembrar: O DICO É MEU AMIGO!!!!! O maridão da Maria Aparecida Pereira, MINHA AMIGA TAMBÉM!!!! Hehehe.

    ResponderExcluir
  10. MUITA BOA ESSA HOMENAGEM QUE VOCÊ FEZ AO SEU PAI,THAIS!
    DEVEMOS HOMENAGEAR A QUEM AMAMOS ENQUANTO ESTÃO VIVOS.
    EU NÃO TENHO MAIS NEM MEU PAI,NEM MINHA MÃE.MAS ESTA EU HOMENAGEEI EM VIDA,INCLUSIVE COM UM POEMA PUBLICADO EM UM JORNAL DE GOIÂNIA,GO E CUJO TEXTO ESTÁ NO MEU BLOG.
    MEU PAI,EU HOMENAGEEI RECENTEMENTE,EMBORA FAÇA MUITO TEMPO QUE ELE SE FOI. TAMBÉM ESTÁ NO MEU BLOG,"PALÁCIO DAS LETRAS".
    DESEJO A VOCÊ E SEUS FAMILIARES UM BELO MÊS DE DEZEMBRO,INCLUINDO TODAS AS FESTIVIDADES DO NATAL,COM MUITA PAZ,MUITA SAÚDE E FELICIDADES NO CORAÇÃO.
    VOLTAREI .

    ResponderExcluir
  11. Sem dúvidas ele recebe de volta todo dia um pouco do tanto que fez pela filha especial!
    Belíssima homenagem. Raro e bonito de ver uma relação assim.
    PArabéns pros dois.
    bjos

    ResponderExcluir